Era Uma Vez em… Hollywood

Quentin Tarantino está de volta! Com oito longa-metragens em seu currículo, desta vez, ele propõe uma doce releitura de tragédias históricas.

O ano é 1969. A cidade é Los Angeles. Rick Dalton, interpretado por Leonardo DiCaprio, é um ator de TV que, com a ajuda de seu dublê, Cliff Booth, interpretado por Brad Pitt, está determinado a deixar sua marca em Hollywood. Para isso, ele conhece muitas pessoas influentes na indústria cinematográfica, o que o coloca no centro dos assassinatos cometidos por Charles Manson na época, como o da atriz Sharon Tate, interpretada por Margot Robbie, que estava grávida do diretor de cinema Roman Polanski, interpretado por Rafal Zawierucha.

No longa Era uma vez em… Hollywood, Tarantino tem o intuito de reescrever o passado, alterando importantes acontecimentos da cultura norte-americana para proporcionar situações que gostaria de ter visto de perto. O diretor encontra oportunidades para demonstrar sua costumeira inteligência de enquadramentos e seu conhecimento sobre diferentes gêneros do cinema. Além de romper com a estrutura de narrativa clássica e a violência esperada ao se tratar de Tarantino. O foco principal é nos personagens: os três são separados em histórias paralelas durante grande parte do filme. Porém, na conclusão da trama, o cineasta presenteia o espectador com sua usual dose de violência.

Já está em cartaz nos cinemas!

Django Livre

Quentin Tarantino é um grande sucesso como diretor e um de seus filmes mais famosos é Django Livre, lançado em 2013, que traz em seu elenco nomes como Jamie Foxx, Christoph Waltz, Samuel L. Jackson e Leonardo DiCaprio. A obra levou o Oscar nas categorias de Melhor Ator Coadjuvante e Melhor Roteiro Original.

Na história, Django é um escravo liberto que teve um passado marcante e brutal com seus antigos proprietários, os quais o caçador de recompensas alemão Dr. King Schultz está em busca. Django é o único que pode levar os irmãos até o caçador. Após realizar o plano, Django vira parceiro de Schultz na busca pelo criminoso mais perigoso do sul dos Estados Unidos.

Tarantino mais uma vez traz como tema central a vingança. Além disso, os espectadores encontram diversas referências cinematógraficas, culturais e filosóficas de outros nomes importantes. Do gênero Faroeste, tão característico do diretor, aqueles que assistirem o filme verão muito sangue e muito humor ácido!

Bastardos Inglórios

O resultado de um filme dirigido por Quentin Tarantino e Eli Roth não poderia ser outro, a não ser espetacular. Esta é a definição do filme Bastardos Inglórios, lançado no ano de 2009. No elenco, estão importantes nomes, como Brad Pitt e Mélanie Laurent.

A obra conta a história do tenente Aldo Raine (Brad), encarregado de reunir soldados de origem judaica para uma missão suicida contra os alemães nazistas que estão vivendo na França. Os soldados são orientados a matar de forma cruel o maior número de nazistas possível. Em contrapartida, Shosanna Dreyfuss (Mélanie) vê a execução de sua família pelas mãos do coronel Hans Landa (Christoph Waltz). Assim, a moça foge para Paris e lá ela planeja uma vingança.

O ator Cristoph Waltz levou o Oscar e o Globo de Ouro em 2010 na categoria Melhor Ator Coadjuvante. Além disso, o filme foi indicado ao Oscar nas categorias Melhor Filme, Melhor Diretor – Quentin Tarantino; Melhor Roteiro Original; Melhor fotografia; Melhor Edição, Melhor Som e Melhor Edição de Som.

Os Oito Odiados

Hoje estreia nos cinemas o novo filme do prestigiado diretor americano Quentin Tarantino. Os Oito Odiados, título da obra, conta com a participação de um elenco de peso. Entre eles, Samuel L. Jackson e Kurt Russel.

A história se passa de 6 a 8 anos após o fim da guerra civil e conta sobre a trajetória de John Rush (Russel) que, ao levar a prisioneira Daisy Domergue (Jennifer Jason Leigh) para Red Rock, onde ele tem a intenção de trocá-la por uma boa quantia de dinheiro, acaba aceitando transportar também o caçador de recompensas Marquis Warren (Samuel L. Jackson) no caminho. Mas, devido a grande nevasca, o grupo acaba se abrigando no Armazém de Minnie e lá conhece outros estranhos. Com o convívio, um acaba descobrindo os segredos obscuros do outro, o que resulta em um inevitável confronto.

O diferencial do filme é que não existe herói: “Não tem centro moral para o espectador se apoiar. Queria que todos fossem mais ou menos vilões. Pelo menos, todos são questionáveis. Se você cresceu vendo faroestes na televisão, sabe que ninguém se preocupava com o ator principal, eram sempre os convidados especiais que chamavam a atenção. Estes personagens eram sombrios, atormentados pelo passado. Não dava para saber de que lado estavam. Eu quis fazer um filme cheio de personagens como esses”, disse Tarantino.

Confira o trailer: