O Cortiço (1890)

Leitura obrigatória em diversos vestibulares, o clássico de Aluísio Azevedo é um acervo nu e cru do cotidiano dos cortiços cariocas do século XIX. O Cortiço é considerado a principal obra do Naturalismo brasileiro, movimento que começou na França e que tem como característica a abordagem de temas de denúncia como a miséria, o racismo, a exploração sexual, entre outros.

O livro começa com a história de João Romão, um português ambicioso que, com a ajuda de sua amante trabalhadora, a ex-escrava Bertoleza, começa a construir pequenos barracos. Assim como a ganância de João Romão, a procura pelo espaço era tamanha que seu pequeno empreendimento se tornou um dos maiores cortiços do Rio de Janeiro.

A obra sustenta a ideia naturalista de que o meio é determinante: ele muda o caráter das pessoas. O cortiço, por abrigar todos os problemas que um ambiente precário e marginalizado enfrenta, transforma seus habitantes que deixam de lado seus princípios morais para dar espaço aos seus desejos e necessidades.

*capa da edição da editora Martin Claret

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s